ISO de inovação: empresas se preparam para a nova economia

Com as novas tecnologias e ferramentas digitais da Indústria 4.0, as empresas precisam se reinventar para se manterem relevantes e competitivas. Considerando esse novo cenário de negócios, a ISO (International Organization Standation) lançou uma norma focada no que as companhias mais buscam hoje em dia: a inovação.

A ISO 56002 é uma norma de sistema de gestão que estrutura o processo de inovação dentro de uma companhia. É como um guia que estabelece as diretrizes para o gerenciamento da inovação, ajudando as empresas nas transformações geradas pelas novas tecnologias e modelos de negócios disruptivos.

A nova norma, também conhecida como ISO de inovação, pode ser adotada por empresas de qualquer porte ou setor. Ela foi divulgada mundialmente em julho 2019 e, até o momento, poucas empresas obtiveram a certificação, a exemplo da Airbus e da Total (combustíveis).

Na América Latina, a MZF4 – empresa do Grupo Mazzaferro, sediada em São Paulo –, foi a primeira a conquistar a ISO 56002.

Perspectiva otimista para adoção no mercado

A ISO é uma organização internacional não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que reúne especialistas de 163 países para compartilhar conhecimentos e desenvolver normas internacionais.

Na década de 1980, o sistema de gestão de qualidade, o famoso ISO 9001, foi amplamente adotado pelas companhias em todo o mundo. Já na década de 1990, foi a vez da certificação ambiental ISO 14001.

“Nos anos 2000, com a globalização, outras preocupações surgiram nas empresas e as normas criadas foram direcionadas para compliance e saúde ocupacional, por exemplo. Hoje são mais de 50 sistemas de negócios diferentes”, afirma o especialista em sistemas de gestão da consultoria Palas, Alexandre Pierro.

Com o avanço da tecnologia e as mudanças no cenário de negócios, o comitê de inovação da ISO começou a observar as melhores práticas nessa área em diferentes países. A partir daí, nasceu a norma 56002, um compilado de experiências, conceitos, ferramentas e métodos sobre inovação.


Alexandre Pierro, da consultoria Palas

“Nos próximos anos, a expectativa do mercado é que 500 organizações conquistem o ISO de inovação. Até 2021, a previsão é que entre 50 a 100 empresas brasileiras tenham esta certificação. O ISO de inovação será o que foi o ISO de qualidade nas décadas de 80 e 90”, aposta Pierro.

Benefícios para as empresas

É comum cada empresa ou profissional entender a inovação de uma maneira diferente. Nesse sentido, a norma 56002 traz um consenso global sobre o tema, padronizando métricas, fundamentos e vocabulário. Isso facilita, por exemplo, o benchmarking entre empresas de diferentes países.

“É como uma língua universal para todos”, afirma Pierro. “Boas métricas e padrões internacionais ajudam as empresas a terem robustez, com negócios mais assertivos e duradouros”, completa.

O especialista citou outros benefícios da ISO 56002 para a reportagem do Portal de Notícias da GS1 Brasil:

• transformar ideias em resultados
• melhorar o engajamento das partes interessadas
• reforçar o propósito da empresa, que está totalmente ligado à inovação
• criar produtos com maior valor agregado
• conquistar novos mercados
• gerenciar os insights gerados pelos colaboradores
• criar uma cultura de inovação em toda a empresa
• auxiliar na integração com outras normas da ISO

Apesar dessas vantagens, muitos profissionais questionam: estabelecer uma norma engessa o processo de inovação? “Isso é um equívoco. Criatividade sem processo, não gera valor”, afirma Pierro. “Se olharmos de forma minuciosa para as empresas líderes em inovação, como Apple, Microsoft, Facebook, Google, entre outras, todas têm na metodologia de processos o seu grande norte”.

MZF4 é pioneira na ISO 56002 na América Latina

A MZF4 é uma empresa de economia criativa do Grupo Mazzaferro que busca agregar valor através da transformação de fios de nylon e outros materiais em produtos que atendem cerca de 50 cadeias produtivas em mais de 50 países, como, por exemplo, cordas musicais, cerdas para escovas dentárias, suturas médicas, cartelas de cores para o setor de beleza a linhas de costuras industriais para o setor automotivo.

Ela foi a primeira a obter a ISO 56002 na América Latina. “Na mesma semana em que a norma foi publicada, recebemos a certificação, pois já tínhamos começado a fazer um trabalho um ano antes”, conta o CMO da MZF4, Fabrício Saad.

Segundo ele, a busca pela certificação partiu da alta direção do Grupo Mazzaferro, que percebeu uma oportunidade para aprimorar processos, organizando as atividades de inovação a favor do negócio, há 66 anos no mercado.

A área de marketing e inovação da MZF4 liderou a iniciativa dentro da organização, que envolveu outras áreas, como recursos humanos, administrativo, financeiro, setor industrial, pesquisa e desenvolvimento e departamento de qualidade. Toda a trajetória para obter a certificação levou cerca de um ano e a empresa contou com o apoio da consultoria de gestão Palas.

Ao longo do processo, a MZF4 passou por quatro auditorias – interna, externa e outras duas etapas com instituições certificadoras.

“A implementação não demandou uma mudança radical na cultura da empresa, pois já tínhamos o DNA de inovação. Mas demandou sim uma visão diferenciada e um trabalho de engajamento maior dos colaboradores para criar processos e metodologias de inovação para otimizar aquilo que a gente já vinha fazendo”, afirma Fabrício.

Fluxo de ideias inovadoras

Na MZF4, os benefícios da certificação já são percebidos. “Como resultado prático, tivemos um incremento considerável no número de novas ideias. Notamos também uma melhora no índice de satisfação dos colaboradores, que percebem que suas ideias são ouvidas e implementadas”, diz o executivo.

Isso porque a empresa aprimorou várias iniciativas que já vinha fazendo para fomentar a inovação. Assim, lançou o programa Eureka para os funcionários colaborarem com ideias, estruturou o comitê de inovação e também atividades de design thinking.

“Do ponto de vista mais tangível, podemos afirmar que, apesar de ser difícil isolar uma única variável, é que a qualidade das ideias implantadas em função do procedimento da ISO também melhorou”, avalia o executivo.

Para as empresas que desejam obter a ISO 56002, Fabrício – que também é coordenador do MBA da ESPM – dá uma dica. “Inovar é muito melhor, mais gratificante e menos arriscado – por incrível que pareça – do que não inovar. Esta norma traz uma metodologia e nos ajuda a refletir sobre a forma de inovar e até diminuir os riscos envolvidos. Vale muito a pena”.


MZF4 estruturou atividades, como a oficina de design thinking, para obter a ISO 56002

Dicas para obter a certificação ISO 56002

Para obter o ISO de inovação, as empresas precisam embarcar numa jornada para ajustar vários processos. Alexandre Pierro, da consultoria Palas, compartilha alguns insights:

• A norma ISO 56002 pode ser implementada em um departamento, na empresa toda ou apenas em algumas filiais. “Quanto maior a abrangência, melhor a gestão de inovação. Mas como se trata de uma norma de negócios, ela precisa acompanhar a estratégia da empresa”, afirma Pierro.

• Para obter melhores resultados, é importante agregar todas as normas da família, que incluem gestão de conhecimento, ferramentas, metodologias, performance e indicadores de inovação (Ex: ISO 56000, ISO 56003 e ISO 56004).

• As empresas podem fazer a implementação da ISO 56002 internamente, com a equipe própria, ou contar com o apoio de consultoria especializada. A certificação é feita por instituições certificadoras.

• Com a utilização das melhores práticas em processos de inovação, é possível implementar o projeto num período de 6 a 10 meses.

Publicada na GS1 Brasil em 22/janeiro/2020:
noticias.gs1br.org/iso-de-inovacao-empresas-se-preparam-para-a-nova-economia